[Resgate] ZN Entrevistas – Oscar Velsharoon

Como divulgado na última entrevista, chegamos com nossa segunda entrevista, depois de duas semanas de atraso, com Oscar. Um Mestre e jogador de Acaraú. Sem mais enrrolação ai está ela:

A Entrevista com Oscar Velsharoon

01 – Fale um pouco de você, de seu grupo de RPG e de como começou a jogar.

Oscar Velsharoon: Sou calado e observador. Pode não parecer, mas fico analisado o comportamento das pessoas e só depois tento conversar. Tiro brincadeiras com meus amigos e vice-versa. As vezes há um pouco de irritação, mas isso é normal. Um dos meus defeitos, que aliás não são pocos, é que as vezes, nas reuniões, eu fico no “Mundo da Lua”. Pode até parecer falta de respeito para com os outros, mas não é! E é isso…

Sobre meu grupo atual, em que mestro, o que tenho para falar é que tive sorte em encontrar acima de tudo boas pessoas. Esse grupo é formado pelo narrador (Claro que sou eu!) e os jogadores: Afonso, Manassés e Wenderson. Nós estamos na estrada há 8 meses. Começamos no inicio de abril e passaram por esse mesmo grupo: Jonas, Rafael e Marcos. Também teve participações especiais de Lidiomar e é claro nosso entrevistador.

Comecei a jogar em Março de 2006, nem sabia o que era RPG, quando quase todos os dias eu ia para a Biblioteca ler Mangás do Cavaleiros do Zodiácos. Depois de um bom tempo conversando com o Guardião da Biblioteca, Lidiomar, sobre RPG, surgiu o convite e foi mais três ou quatro semanas, para realmente eu começar. Não nego que fiquei com idéias obscuras na cabeça, do tipo: “jogo de adoradores de …” Acho que vocês entenderam, não é mesmo?! E outras parecidas, mas graças a Deus, não passou de puro preconceito meu. O primeiro grupo que participei era formado por nosso mestre Emilson e os jogadores Alexandre, Francis e Lidiomar. Na época estavamos jogando D&D, no cenário de tormenta. Eu era um Elfo, clérigo de Valkária.

02 – Qual a sua visão sobre Rpg?

OV: O Rpg é muito importante, por que estimula a raciocinio das pessoas, além da interação, diversão e outros infinitos adjetivos que no momento não sei dizer.

03 – Cite três sistemas, em ordem de preferência, que gosta de jogar.

OV:

  1. D&D;
  2. WoD; e
  3. Daemon

04 – Diga qual sua impressão sobre cada um dos sistemas citados  por você na pergunta anterior.

OV:

  1. WoD prioriza história, interpretaçã, ambientação, o horror mental e sobrenatural. As regras são simples, claras e objetivas. Eu acho o sistema completo.
  2. D&D com suas batalhas e feitos heróicos levam o jogador ao êxtase. Eu gosto do sistema de progressão de personagens e acho que D&D as vezes fica um pouco travado por causa das regras e também das tabelas.
  3. Daemon é diferente do horror de WoD. Soma o horror com a grandiosidade de feitos heróicos. Tem um bom sistema de regras. É um ótimos sistema para passar as tardes ou noites reunidos.

05 – Como você se define como jogador de RPG? Você se foca na personalidade do personagem, em táticas de jogo, em construir as melhores habilidades e perícias…

OV: Me defino como um jogador que gosta primeiro de interpretar o personagem, ou seja, dá uma personalidade a ele. Depois olho para as habilidades e tento deixar bastante condizente com o background.

06 – Você acha que a “onda d20″ mudou o mercado brasileiro? Qual a perspectiva que você está vendo para ele, daqui em diante?

OV: Quando comecei a jogar, sempre ouvi dos meus amigos que já jogavam há um bom tempo que D20 dificultou bastante os outros sistemas, por causa da lincensa aberta, que a maioria das editoras brasileiras priorizaram D20. Conhecendo um pouco mais da evolução do RPG no Brasil, acabei concordando, já que WoD, Gurps e os demais ficaram prejudicados, por que quase tudo que saia ou ainda sai é para D20

Em relação ao futuro, acho que vai cair de produção. Tenho ouvido críticas a licensa “fechada” da Edição 4.0 e também parece que não é lá isso tudo.

07 – Você acredita que WoD tem capacidade de ameaçar a hegemonia de D&D?

OV: Sem dúvidas que sim. WoD é mais completo em termo de interpretação, ambientação, historia, regras e por ai vai. Enquanto D&D, sobretudo agora com a nova edição, pelo que vejo e ouço, virou basicamente um sistema de combate, estratégia e jogadas de dados, ou seja, tá ainda mais mecânico que a edição anterior.

08 – Como você vê hoje o RPG em Acaraú?

OV: Vejo que tem muito que crescer. Poucas são as pessoas que conhecem e menos ainda são as que jogaram. E uma parcela ainda menor são os que ainda estão jogando. Da menoria que ouviu falar ainda existe uma boa parcela deles que tem uma opnião preconceituoso e outros não tem cabeça para jogar.

09 – Você tem planos de trabalhar no desenvolvimento de materiais de rpg? Criação de cenários, sistema próprio ou algum outro projeto?

OV: No desenvolvimento de material talvez. Já pensei em criar cenários, principalmente quando jogava D&D. Sistema próprio não tenho pretensão para tanto. E mais nenhum outro projeto em mente no momento.

10 – Que conselho daria para os novos jogadores de rpg que ainda não se firmaram no hobby ou que ainda não acharam seu sistema favorito?

OV: Para os que não se firmaram não tenho nenhum conselho pra dá. Já na questão do sistema favorito, acho que o jogador deve ver qual sistema ele acha que se adequa a sua personalidade, suprindo tudo o que ele deseja.

Para encerrar boa sorte em seus projetos e gostaria de pedir para que você deixa-se uma mensagem aos jogadores, mestres e/ou simples leitores do nosso blog.

OV: Não sou bom com mensagens. Mais fico primeiramente agradecido pela entrevistar. Acho bacana a tua iniciativa em alavancar o RPG. Também acho que ninguém na cidade tenta deixar o nosso hobby sempre forte assim como o dono do nosso blog RpgSemCompromisso. E aos outros não sei se ficou legal as repostas, mas mesmo assim espero que gostem.

VALEU!!!

Anúncios

Emilson é Entrevistado pelo PCPronto

PCPRONTO (Data da Entrevista Dez/2008 – Mais ou Menos isso)

www.pcpronto.blogspot.com

DADOS DO ENTREVISTADO

Nome: Emilson Rodrigues

Apelido: Donovan

Ano de Nascimento: 1980

Começou a Jogar RPG em que ano: 2000

E-mail: mestredonovan@gmail.com

MSN: justicarventrue@hotmail.com

Site: https://zonaneutra.wordpress.com

Cidade: Acaraú

Estado: Ceará

ENTREVISTA

  1. Fale um pouco sobre você.

Sou jogador de rpg desde de junho de 2008. Estou junto com a mesma mulher desde de os 15 anos de idade, hoje tenho 28. Não tenho filhos, mas pretendo. Gosto de informáticaa, de uma forma feral e de ser blogueiro amador (mesmo com o problema que tenho com a lingua portuguesa e suas regras). Antes de criar o blog rpg sem compromisso eu tinha tentado outros sites: efeito zero e recentemente ZonaNeutra (do qual fui o fundador e depois deixei por conta de Alexandre Nordestinus). Além de jogar rpg também curto magic. Gosto de romances que estejam ligados diretamente ao rpg: inimigo do mundo, o cranio e o corvo, a trilogia de forgottem realms e os livros de Augusto Shaftiel. Nos assuntos de rpg meu cenári o favorido em D&D é o fogottem realms e adoro que meu personagem se destaque nas mesas em que jogo.

  1. Quais seus 3 Sistemas Preferidos de RPG (em ordem de preferência).
    1. Gurps
    2. D&D
    3. Daemon
  1. Quais suas opiniões sobre os seus 3 sistemas preferidos, conte um pouco sobre as vantagens e desvantagens de cada um dos sistemas.

Gurps – tem como principal quelidade a sua forma genérica, pois não é necessário aprender regras novas para mudar de estilo de jogo. As regras também são ponto forte do sistema, pois quase não deixa bracha para o jogador lhe questionar. Seu principal defeito é está preso a devir aqui no Brasil e tio steve não faz nada pra mudar a história. D&D – simplesmente demais quando o assunto é aventuras medievais e heroismo ao extremo. Tem compo principal defeito ser muito tabelado. No caso um personagem não consegue ser superior ao outro se o seu nível não disser que é. Quando falamos de combate as coisas ficam ainda mais feias: as classes e o nível determinem antes mesmo do combate quem será o vencedor – poucos são os magos que tem chance de vencer um guerreiro em níveis baxos e em níveis mais elevados é preciso uma certa combinações de situações para o mago ter alguma chance. Daemon – pra mim a história e o cenário de daemon é bem mais profundo do que o novo Wod. A guerra entre anjos e demonios que servem como base para o sistema são simplesmente intrigantes e atrai nossa atenção. Seu defeito estão nas regras; apesar de lembra e muito Gurps peca pelo estilo das perícias (apesar de em certas situações são bem interessantes) e os cutos dos aprimoramentos poderiam ser melhores.

  1. Quais seus 3 Gêneros preferidos de RPG (em ordem de preferência).
    1. Atual (os dias de hoje)
    2. Futurista
    3. Fantasia Medieval
  1. Quais suas opiniões sobre os seus 3 gêneros preferidos, conte o porque esses determinados gêneros ganharam sua preferência.

O Genero Atual tem elemetos muito interessantes: carros, computadores, as armas de fogo entre outros. Para o narrador é bem mais fácil de se apresentar as coisas, apesar de em certos momentos sugirem detalhes demais. Futurista tem a mesma vantagem do Atual, mas de forma melhorada. Além disso não limites para o que se pode fazer, ou seja, fica mais fácil de explicar uma coisa que seria estranha no tempo atual. Fantasia Medieval foi o primeiro que joguei no antigo AD&D e traz elementos que fascinam minha mente. Gosto de atuar com apenas uma espada, sem o trabalho de ter que enfrentar um tiro de bazuca nos peitos ou utilizar a magia para resolver problemas fora do alcance de pessoas normais.

  1. Como era sua vida RPGística a muito tempo atrás, quando você começou. (Sensação, Amizades, Interesse, Disponibilidade, Tempo Dedicado, Importância, Sessões, etc.)

A minha vida era tranquila. O tempo era de sobra, as primeiras sessões que joguei começavam oito da noite e acabavam as tres da manhã. Eu tinha sessações de quem podia fazer o que queisesse, salvar ou destruir um mundo sem precisar sair de uma mesa no terraço de casa. As amizade não mudaram muito, hoje evoluiram bem mais (aquelas ligadas ao rpg e/ou por causa do rpg) – isso por que quase todo mundo aqui iniciaram comigo ou muito depois de mim e quase sempre eu já cohecia essas pessoas. Meus interesses eram videogames, festas e futebol. O tempo que eu dedicava era quase todo que eu tinha, pois queria dominar tudo o que possivel no menor tempo possivel, só depois que percebi que isso era imposivel (dominar) é que passei a adminitrar melhor o meu tempo ligado ao rpg. Mesmo antes assim como hoje o rpg foi muito importante, pois é a minha filga de certas situções. As sessões eram simplesmente marcantes, hoje as coisas são um tanto quanto mais normais.

  1. Como será sua vida RPGística daqui a muito tempo a frente, quando você estiver mais velho.

Sérá ativa e ensinando aos meus filhos e netos, assim como para seus amigos. O Vôvo doidão!

  1. Coisas boas que o RPG te trouxe.

Mais apego a leitura. Me ajudou com esse mundo estranho que é a lingua portuguesa. Me transformou em uma pessoa mais comunicativa. E elevou a minha imaginação e criatividade a outro nível.

  1. Coisas ruins que o RPG te trouxe.

Siceramente não consigo pensar em nada nesse momento. Talvez o preconceito das pessoas que não entediam e temiam, mas acho que isso não é culpa do rpg e sim dos preconceituosos.

  1. Conte seu personagem mais marcante.

Tives muitos pois tento faze-los todos assim. Acredito que o mais marcante é sempre o último. Nesse caso o atual é um Gnomo Ilusionista de D&D, natural do cenário de Forgottem Ralms. Seu nome é Lefeu Coração Rubro, natural do reino de Lantan. Ele não fala sobre seu passado pois vem de uma família de inventores que não gostam de magia, por isso abandonou seu lar e decidiu se tornar aventureiro. Atualmente faz parte de um grupo composto por um clérigo anão, dois guerreiros humanos, um halfling ladino e um ranger elfo. Infeliezmente não tenho mais detalhes sobre esses personagens pois jogamos apenas uma sessão até agora.

  1. Conte 3 cenas inesquecíveis para você.

1 – Em um grupo muito antigo de gurps estávamos em um porto e tinhamos que matar um figurão do crime local, em um encontro de mafiosos para fazer algo que meu personagem não fazia a menor o ideia do pra que. Depois de uma tiroteio generalizado o homem estava morto. Mas infelizmente meus dois companheiros estava gostando do tiroteio e não quiseram fugir junto comigo. Meu personagem era um psiquico e ele tentou controlar os dois, mas conseguiu apenas um, o outro continuou na farra. Estavamos fugindo eu e o outro rapaz controlado por mim. Quando passamos perto do nosso companheiro ele pulou de um container e tentou ir onde a gente estava, mas foi acertado por uma bala pelas costas. Derrubamos a pessoas que atirou nele e fomos até onde ele estava caído, estavamos de moto e o meu companheiro controlado pilotando. O nosso companheiro caido já agradecia por irmos buscá-lo, quando eu saco a minha Imi Eagle e descarrego em cima dele (9 balas de 3d6 dano cada) e logo depois duas granadas. Saindo de moto eu e meu companheiro controlado. 2 – Certo dia, depois de conseguirmos uma boa quantia de dinheiro eu e um companheiro (eramos apenas dois jogando a aventura medieval de gurps), meu persongem deu um trato de loja. Meu companhairo um pouco mais avarento nada comprou, nem mesmo um cavalo para seguir ao meu lado, ficou parecendo um cavaleiro (eu) e seu servo (meu companheiro). Depois saimos em viajem e em determinada altura encontramos uma pessoa cruza o nosso caminho e meu companheiro avarento começa uma confusão, eu tento dar um conselho para meu companheiro, mas ele, mesmo ameaçando uma pessoa, iniciando quase um combate, ele me ameaça; chego com o meu cavalo proximo a nuca de meu companheiro e digo – “nunca ameaçe um cavaleiro quando se está preste a iniciar um combate, pricipalemente estado de costas pra ele”, ou foi algo parecido. 3 – recentemente nessa primeira sessão desse novo grupo, de meu gnomo ilusionista (de novo essa coisa pequena), estavamos chegando na cidade de Lua Argentea, a gema do norte. Infelizmente a cidade estava sendo atacada por bestas selvagens. Começamos a defender a cidade: em determinado momento corremos para a entrada da cidade e meu personagem sai correndo chamando a atenção de várias criaturas (seis), mas antes realizo a magia vôo, logo em seguida quase cercado pelas criaturas eu subo com meu personagem e jogo uma bola de fogo nas criatura, infelizementen nenhuma cai, mas ficam todas bastante feridas. Em seguida voo na direção de meus companheiros que derrubam as criaturas durante a perseguição.

  1. Conte sobre uma cena / situação engraçada que você tenha vivenciado numa sessão de RPG.

*Estavamos jogando D&D e o nosso amigo companheiro elfo guerreiro arqueiro, é afetado pela magia cegueira/sudez – ficando cego. Terminado o combate a gente tem que segui viagem e de repente o elfo diz: “não me deixem aqui” e vem reposta: “coloca a mão aqui no meu ombro”. *Com esse mesmo elfo arqueiro (não tenho certeza, os persongens dele era tão semelhante na época), um companheiero de grupo acusa o elfo: “Seu elfo loiro viado” (bem lendas lendárias da dragão brasil), não sei se foi por que ele não entendeu direito a fraser, mas respondeu o elfo respondeu: “Meu elfo não é loiro”. Vá lá enteder!

  1. Para você, cite 5 boas práticas em uma sessão de RPG para o MESTRE:
    1. Ouvir os jogadores;
    2. Se preparar com antecendencia;
    3. Ser justo;
    4. Não jogar contra os jogadores;
    5. se lembrar sempte da regra de ouro do rpg: “diversão acima de tudo”.
  1. Para você, cite 5 boas práticas em uma sessão de RPG para o JOGADOR:
    1. não tulmutuar a sessão;
    2. tentar ser heroico;
    3. está 100% por dentro do que quer para seu personagem;
    4. ser paciente com o mestre;

sempre que possível lembar que ele faz parte de um grupo Valeu pelo convite e sorte com seus projetos, sejam eles ligados a rpg ou não.

Obrigado,

Abraços,

Mestre Meyer (Onde esta vc companheiro, sinto sua falta /#sem perder a masculinidade…)